Potencialize seus resultados de vendas em datas Sazonais

Potencialize seus resultados de vendas em datas Sazonais

Como vender mais nas épocas sazonais?

Se sua empresa enfrenta a sazonalidade nas vendas, é importante descobrir como lidar com esses ciclos para garantir bons resultados o ano todo!

Ao falar em metas de vendas, sempre vêm à cabeça um número que aumenta a cada mês, um objetivo sempre maior, um novo desafio a se cumprir.

Entretanto, diversos negócios não conseguem manter o ritmo de crescimento acelerado todo mês em razão de vendas sazonais.

A sazonalidade comercial é uma situação comum na qual empresas passam por períodos de sucesso ou queda nas vendas, provocadas por condição ou acontecimento no mercado.

Embora o planejamento de metas seja um pouco mais complicado, as vendas sazonais podem ser muito bem aproveitadas pelos negócios. A fim de compreender como elas funcionam e achar a forma melhor de utilizar os períodos a seu favor, continue lendo nosso artigo!

O que são as vendas sazonais?

A sazonalidade em vendas ocorre em razão dos ciclos de mercado. Ao decorrer do ano, cada nicho percebe mudanças no comportamento de seus clientes, nas vendas e faturamento. Essas oscilações são decorrentes de fatores como: estação do ano, período do mês ou horário do dia.

As vendas sazonais variam de acordo com o segmento. Papelarias, por exemplo, tem suas vendas concentradas geralmente em época de retorno às aulas – sazonalidade anual. Casas de shows e bares faturam mais no período noturno e aos finais de semana.

Nos restaurantes, lanchonetes e padarias é possível ter vendas sazonais ao longo do dia. No varejo, ela é clara quando datas comemorativas como Páscoa, Natal, Dia das Mães, movimentam os negócios.

Embora seja o preferido dos lojistas, o mês de dezembro pode caracterizar um período de queda nas vendas de outros segmentos. Quando se fala em vendas de SaaS ou serviços, negócios que vendem para outras empresas se deparam com baixa performance nesse período: o final do ano é a fase de planejamento orçamentário e poucas empresas desejam fechar novos contratos.

Em contrapartida, o início do ano pode ser um período excelente para abordagem de clientes B2B, aproveitando a volta dos trabalhos a fim de implementar ferramentas e processos novos.

Como analisar datas sazonais?

Como pode ver, os ciclos existem para todos os segmentos. E é preciso que seja realizado seu mapeamento para uma adequada gestão de metas e ações de geração de demanda. Por fim, metas de venda necessitam ser, conforme o método SMART:

  • Específicas: bem objetivas.
  • Mensuráveis: tem que ser possíveis de medir os resultados.
  • Alcançáveis: adequadas a realidade da empresa, sendo possível serem alcançadas.
  • Relevantes: devem ser importantes para a empresa.
  • Temporais: quaisquer ações precisam de um prazo de conclusão.

Portando, adequá-las aos ciclos do segmento é para assegurar que elas estejam conforme chances possíveis que vendedores possuirão ao abordar oportunidades.

A princípio, deve-se coletar os dados do último ano para realizar um levantamento das suas vendas nos períodos sazonais. Avalie o desempenho comercial da equipe durante cada mês, e comparando as informações com as ações que foram realizadas em cada período. Dados que podem ser conseguidos do seu CRM.

Caso não detenha uma ferramenta de vendas e histórico para análise, damos a dica de estudar o segmento e realizar algumas pesquisas com parceiros e concorrentes.

Junte investimentos em mídia paga, treinamentos e implementação de ferramentas, novas contratações – qualquer informação pode afetar a eficiência das vendas. Vale ressaltar outros pontos, como mudança no cenário político e econômico a fim de descartar qualquer influência.

Caso haja alterações expressivas, seja de redução ou aumento sem qualquer relação com transformações na empresa, pode ser considerada uma época sazonal. Os períodos nos quais as empresas vendem mais, serão aqueles de maior foco com o intuito de compensar o baixo desempenho nas demais épocas.

Para as organizações que contam com mais de um canal de vendas é interessante verificar se as vendas sazonais se aplicam a todos eles. O que pode auxiliar na hora de definir metas para cada canal, a fim de que um compense o desempenho do outro.

O mesmo pensamento vale para o portifólio de produtos e serviços: pode ser válido apostar em uma oferta específica se ela potencializa os resultados em um período.

 

3 dicas essenciais para lidar com a sazonalidade

Crie e aplique um planejamento sólido

Planejar ações antecipadamente é o segredo para otimização de vendas sazonais. A princípio, entenda quais os períodos sua equipe de vendas precisará dar mais atenção, além de prever ações específicas e realizar investimentos e outras maneiras de incentivar a compra nesses momentos.

Ao mesmo passo, sua equipe deve ajustar metas, para que nos períodos mais favoráveis, a equipe esteja focada em alcançar a máxima eficiência, bem como aproveitar quaisquer oportunidades que aparecerem. Vale realizar novas contratações e treinamentos em períodos de pouca venda, a fim de haver tempo no desenvolvimento e organização da equipe.

Saiba fazer ofertas assertivas

Ponto interessante das sazonalidades é poder utilizar a criatividade. Portanto, é importante ir além do óbvio e inovar nas ofertas, bem como trabalhar na atração de clientes e manter o negócio em funcionamento.

Criatividade que não tem a ver com o simples fato de enfeitar sua loja para o Natal ou Páscoa. É preciso trabalhar com inteligência. Elenque os principais empecilhos que surgirão nas negociações e desenvolva suas propostas de ofertas baseada neles:

  • Crie ofertas por tempo limitado;
  • Incentive upgrades;
  • Lance produtos novos;
  • Prepare os vendedores para enfrentar objeções e fechar mais vendas.

Uma boa sugestão para os períodos de poucas vendas, é estimular a recompra, ou seja: vender para o cliente que já comprou antes. É mais barato e fácil, e ainda pode resultar em mais satisfação.

Esteja preparado estruturalmente

 

Para alcançar resultados nas vendas sazonais é essencial que a empresa esteja preparada para o aumento da procura nas épocas de maior venda. O que significa? Sua empresa deve ter estoque, organizar a logística e todos os detalhes envolvidos em cada compra efetuada.

Não é raro uma empresa investi, atrair muitos clientes e a maioria deles saírem insatisfeitos com a experiência. Quantas vezes viu casos de pessoas que compraram na Black Friday ou na Cyber Monday e enfrentaram:

  • Problemas de pagamento;
  • Demora na entrega;
  • Extravio de produtos;
  • Produto com defeito;
  • Dificuldade de trocar o produto;
  • Central de atendimento congestionada;
  • Cancelamento de pedidos sem explicação.

Situações que devem ser veemente evitadas. Afinal, não adianta bater a meta de vendas e gerar uma procura enorme por suporte e atendimentos para cancelar pedidos. Outra coisa, um cliente que passar por uma situação desagradável dificilmente voltará a comprar. Não vale a pena vender mais e prejudicar a imagem da empresa.

Dessa forma, além de planejar as campanhas e ofertas com antecedência, garanta que todos os setores da empresa estejam preparados para atender mais clientes e proporcionar a todos eles uma experiência satisfatória.

Conclusão

Já pensou em investir na qualificação de Leads?

No seu negócio, qual estratégia você utiliza para lidar com a sazonalidade? Compreender bem sua oferta, os benefícios e o seu público-alvo são pontos fundamentais a fim de traçar um planejamento adequado, e dessa forma evitar o desperdício de recursos e tempo pelo time de vendas.

Outra maneira de impulsionar os resultados durante todo o ano é melhorar a qualidade dos leads que chegam até seu setor comercial.

As 10 Novas Redes Sociais Para Investir em 2020

As 10 Novas Redes Sociais Para Investir em 2020

10 NOVAS REDES SOCIAIS PARA 2020

Já parou para pensar quais as novas redes sociais que irão dominar o mundo da internet?

Na web não há somente twitter, Instagram e Facebook, há outras redes sociais. No mundo digital as plataformas vêm e vão.

Se você já utilizou o Orkut e o Snapchat aposto que nunca imaginava que eles entrariam em desuso, não é mesmo? Ou seja, nenhuma rede social está imune a cair no esquecimento.

Na era de conexões cada vez mais rápidas elas podem tanto ganhar poder ou desaparecer de uma hora para outra. E por isso há várias aspirantes a novas mídias dominantes, e falaremos sobre elas nesse artigo.

Conheça nesse artigo as novas principais redes sociais que virão balançar o mercado nesse ano de 2020.

10 Redes sociais em ascensão em 2020

Dezenas de redes sociais surgem a cada ano e para 2020 selecionamos algumas que provavelmente ganharão espaço no mercado.

Shoelace

É considerar uma plataforma essencial, mas que não ganhou a devida atenção, e o motivo para se destacar é por se tratar da nova rede social do Google.

A companhia tem grande experiência no ramo: Youtube e o antigo Orkut, são exemplos. Com a finalização do Google+ devido ao seu fracasso, a Shoelace é a nova aposta da maior empresa de publicidade do mundo.

Tanta atenção a ela, é devido ao Google dominar dois dos maiores mercados do marketing digital. Tanto a mídia paga (links patrocinados) quanto tráfego orgânico (SEO) são conduzidos pela empresa.

Seja por mediante o Google Ads ou do mecanismo de buscas, é sempre bom ficar atento aos lançamentos da companhia.

Criada em 2019, a Shoelace aposta em interesses e eventos para conectar pessoas, e sua grande sacada a fim de voltar a figurar entre as grandes redes sociais interativas.

A princípio é voltada apenas para dispositivos móveis e tem como principal objetivo o encontro presencial dos usuários, indo na contramão das demais redes sociais. Por meio dos chamados “loops”, a rede estimula o contato entre pessoas que comparecem em lugares semelhantes, bem como sugere eventos para encontros.

Ou seja, uma nova forma de combinar encontros com os amigos e conhecer novas pessoas.

Hello

Desenvolvida pelo mesmo criador do Orkut conjuntamente com um grupo de engenheiros do Google, a Hello promete ser o ambiente seguro para amizades verdadeiras.

Segundo seu fundador, Orkut Buyukkokten, os laços nas redes sociais são muitos fracos e sua plataforma vem para estabelecer laços profundos, mudando o panorama atual.

Ele ainda afirma que o intuito é bater de frente com a rede social Facebook, atraindo o público com a promessa de ser livre de anúncios.

O foco é dispositivos móveis e parece acompanhar a maioria das novas redes sociais.

Aliás, seu diferencial é que seu algoritmo é baseado em personas. Ou seja, visa auxiliar o encontro de usuários com interesses semelhantes e locais próximos (por sinal bem parecido com o Shoelace)

Exemplo, se você assinalar o interesse em gatos, sapatos ou futebol, p bot dá preferência para conexões de gostos parecidos.

Dessa forma, postagens de desconhecidos podem aparecer no feed de notícias, um diferencial peculiar.

Esse aplicativo já está disponível no Google Play e App Store.

TikTok

Criada em 2016, a TikTok já conta com mais de 1,5 bilhões de usuários mensalmente ativos com o lema de “faça seu dia”, a rede social tem como foco compartilhar vídeos criados por pessoas comuns.

Em 2018 ele foi mais baixado que Instagram e Facebook, pra se ter uma ideia.

Nela, as pessoas se divertem gravando vídeos curtos (de 15 a 60 segundos) e criam clipes musicais com cenas engraçadas, mas o ponto forte são as dublagens. Onde, seus usuários podem inserir filtros animados e efeitos visuais, textos, músicas e sons para tornar os vídeos bem mais interessantes.

O recurso é um sucesso nos segmentos de evento, moda, mídia e entretenimento, porém tem grande potencial de expandir para outras áreas. No cenário nacional, temos como grande utilizador do aplicativo, o humorista Whindersson Nunes.

Vero

Em 2018, essa rede social ganhou grande destaque na mídia e o motivo foi por ela se posicionar como alternativa ao Instagram e Facebook. Ela leva em consideração tudo que boa parte dos usuários reclama sobre as plataformas. Primeiro porque não tem algoritmo, o feed é apresentado de forma cronológica.

Segundo, porque não há captação de dados do usuário, algo que gera preocupação.

Por fim, não aceita anúncios. O modelo feito por Mark Zuckerberg demorou, mas encontrou um método escalável.

Surgiu uma rede social que promete resolver quaisquer problemas enfrentados pelos usuários nas plataformas mais famosas. Portanto, nesse cenário, a Vero surge como ameaça ao monopólio das mídias digitais, trazendo benefícios aos internautas.

Quora

A Quora é a rede social com grande diferencial: qualificação do público.

Baseada em perguntas e respostas, ela aposta nesse método para questionamentos e esclarecimentos aprofundados.

Por exemplo: você tem uma dúvida sobre o dia a dia de um astronauta. Ao fazer uma pergunta ao Quora, há grandes chances de ter a resposta por alguém que realmente visitou o espaço. E isso se expande para diversas áreas.

No momento, a base de usuários residentes na américa é enorme, contando com as melhores respostas. Seu sistema é baseado em “upvotes”, votos dados por usuários para classificá-las de acordo com a relevância.

Pouco a pouco os brasileiros vão aderindo à plataforma que promete ser uma das redes sociais mais bem-sucedidas de 2020. Outra vantagem dela, é ter a possibilidade de se firmar como referência em determinado assunto.

Quando um autor ganha destaque, torna-se um “Top Writer” e recebe o título da aplicação, ou seja, título de autoridade que gera várias possiblidades de negócios.

MeWe

A proposta principal da MeWe, é combater a prática de quebra de privacidade, se autodenominando como a “a próxima geração de rede social”

Em sua página inicial, estampa com orgulho os dizeres “sua vida privada #not4sale (não está a venda)”. E ainda complementa: “Sem propagandas. Sem rastreio. Sem bobagens.”

Ela investe pesadamente na criação de um ambiente seguro. A ferramenta também não possui algoritmo, sendo utilizada a ordem cronológica a fim de alimentar o feed de notícias.

Na era onde pessoas se preocupam cada vez mais com a privacidade, vale a pena investir nesse tipo de novidade.

WeChat

Provavelmente você já sabe que o WhatsApp é o aplicativo dominante nos smartphones brasileiros. E o WeChat, que tem essência parecida, teve crescimento há alguns anos, porém entrou em desuso logo após.

Entretanto a verdade é que enquanto o WhatsApp apresentou poucas atualizações, o WeChat foi além. Pois ele permite efetuar compras e investir em outras necessidades do usuário em um único aplicativo.

Ela também conta com o modelo do feed assim como o Twitter, Instagram e LinkedIn. No momento, a maioria das features só funciona na Ásia, porém tende a entrar forte no mercado ocidental.

Reddit

Você até pode nunca ter ouvido sobre a Reddit, porém ela se tornou um fenômeno nas terras gringas. Se você não acredita, saiba que a ferramenta sai na frente de concorrentes maiores como LinkedIn e Twitter em números de usuários.

É baseada em um sistema de fóruns, agregando diversos temas compartilhados, comentados e reagidos de maneira simples. Quanto maior o número de votos que uma resposta recebe, maior é sua relevância.

Simples, não? Seu grande diferencial está nesse poder de votação, que concentra o poder nas ideias, e não nas pessoas.

Nessa plataforma, as melhores ideias – muitas vezes consideradas inusitadas – saem na frente. Você encontrará discussões sobre o brinco que uma estrela de cinema utilizou em um filme lançado há dez anos.

Outros assuntos incomuns como, forma de criar roupas de ursinhos de pelúcia de tamanho grande. A questão é que o Reddit é um fenômeno que não pode passar despercebido, embora seja pouco conhecido no Brasil, pode ser que esse cenário mude a qualquer momento.

Twitch

Como qualquer outro segmento, a indústria de games sofreram transformações relevantes na última década, não só em gráficos, armazenamento e desempenho. Mas também na forma como são consumidos.

E a plataforma que percebeu isso foi a Twitch. Com mais de 15 milhões de usuários diariamente ativos, não pode ser ignorada por profissionais que querem destaque no futuro.

E como funciona? Um streamer (pessoa que realiza a transmissão ao vivo) joga seus videogames preferidos enquanto outros usuários assistem e interagem.

Se aparenta com algo que não agrada muito, você está enganado. Afinal, os jovens realmente sentem-se próximos de seus ídolos principais por meio da plataforma, e aproveitam seu tempo livre interagindo com pessoas às distâncias.

Ela é certamente uma rede social que eleva a influência de seus broadcasters a outro patamar.

Wattpad

“As pessoas não leem tanto quanto antigamente”

Você também já ouviu essa frase?

Eu também já perdi as contas de quantas vezes a ouvi. Porém eu não teria tanta certeza, afinal o Wattpad está aí para provar o contrário.

No cenário onde o storytelling dia após dia ganha força, a plataforma se mostra como o maior celeiro de autores do mundo. Mais de 80 milhões de pessoas se conectam para compartilhar histórias em mais de 50 idiomas, dentre eles, escritores profissionais e amadores que criam narrativas fabulosas.

A comunidade brasileira é extremamente engajada. É grande o volume de conteúdos criados em português, provando que a ferramenta vem ganhando grande espaço no cenário nacional.

Conclusão

No ambiente extremamente dinâmico como a internet, não temos como saber o que surgirá amanhã.

Entretanto, sem dúvidas o futuro do marketing digital e das novas redes sociais está interligado. Dessa forma, empresas e profissionais devem se manter por dentro das tendências e ferramentas desenvolvidas para atender aos usuários.

Mudanças certamente acontecerão – e é essencial estar preparado para elas.

Lei Geral de Proteção de Dados e 5 dicas para os profissionais de Marketing

Lei Geral de Proteção de Dados e 5 dicas para os profissionais de Marketing

5 dicas para os profissionais de Marketing

Listamos 5 dicas para  profissionais de marketing colocar em ação pra já.

Nosso objetivo é somente informar – não realizamos consultoria jurídica ou nos responsabilizamos por medidas adotadas por terceiros em relação à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Com poucos meses para a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrar em vigor, o cenário atual brasileiro é incerto. Fato que em grande parte ocorre devido à ausência da Instituição da Autoridade Nacional da Proteção de Dados (ANDP), órgão que terá a função de regular as atividades referente ao uso dos dados pessoais, tanto no setor privado quanto no público.

Com a ausência desse órgão no processo de adaptação, a maioria das empresas está tomando como referência em diretrizes europeias e para o marketing nada muda: os profissionais possuem inúmeras iniciáticas e mudanças pela frente.

Iniciativas como essa são essenciais: adaptação de Landing Pages e formulários para obtenção de dados, anúncios patrocinados e Email Marketing.

Como adequar o Marketing à Lei Geral de Proteção de Dados

A base de Leads precisa ser conforme a Lei

Sua empresa possuir autorização para utilizar os dados pessoais dos Leads que possui em sua lista? É responsabilidade de todos os profissionais da equipe de marketing compreender quais as leis e as bases da LGPD. Ou seja, conhecer quais as possibilidades previstas em lei que permitem que as informações sejam manipuladas por uma organização.

Quando falamos em manipulação, pode ser qualquer operação como:

  • Captação;
  • Acesso;
  • Uso;
  • Armazenamento;
  • Reprodução;
  • Comunicação, etc.

Duas, das dez bases legais que autorizam a manipulação de dados, em especial se destacam para atividades de marketing: o consentimento e legítimo interesse. Uma das perguntas que mais são feitas é: qual dessas duas bases legais devo usar para minhas estratégias de marketing? A resposta é: depende.

E é importante compreender a diferença entre elas e como utilizá-las.

Repense a utilização de Outbound Marketing

Entramos em um cenário delicado, uma vez que algumas práticas de Outbound Marketing tem a tendência de cair em desuso ou necessitar de mais cuidado.

O Outbound Marketing pode ser caracterizado como uma estratégia tradicional onde a marca é ativa no processo de captação de cliente. Em contrapartida, o Inbound Marketing consiste nas estratégias de prospecção passiva. Ou seja, enquanto o outboun marketing concentra na identificação de potenciais clientes e começa a abordá-los, o Inbound Marketing você desenvolve métodos de atração de potenciais clientes.

Ação muito realizada por empresas atualmente é a compra de lista de contatos de empresas conhecidas como “data brokers’. Empresas que juntam e vendem informações de consumidores na internet.

Data brokers

Eles não utilizam apenas dados crus para atingir consumidores, mas também para aqueles chamados de derivados, que são deduções feitas a partir da combinação de dados crus.

Entretanto, o modelo de obtenção de Leads a partir de listas de compras com os “data brokers” vão de contra com a LGPD. A prática não acata ao princípio de finalidade específica da manipulação de dados ou a necessidade do consentimento espontâneo, informado e característico do dono dos dados.

Dessa forma, faça parcerias somente com fornecedores que garantem a legalidade de listas de contatos que realmente optaram por receber informações de marketing. Uma solução óbvia, porém, que requer cuidados: Com o funcionamento da LGPD, se efetuar a compra de uma lista sem permissão, o problema passa a ser do fornecedor e do comprador.

É fundamental enfatizar que as regras não se aplicam em base de dados B2B. Como a LGPD trata especificamente sobre dados especiais, os corporativos, dados empresariais genéricos não são regulamentados pela lei.

Atenção aos cookies

Os “Cookies” são identificadores que podem ser criados ou coletados a partir do dispositivo ou navegador utilizado, com o intuito de disponibilizar uma página para você acessar ou ainda identificar o seu perfil de navegação.

Em síntese, os cookies podem ser utilizados para diversos fins, como gerar estatísticas, mesurar audiência da página, monitoramento, etc.

Os cookies podem ser considerados dados pessoais? Os dados são informações referentes a uma pessoa natural que pode torná-la identificada.

Assim, é fundamental entender duas coisas: tanto a LGPD quanto a GDPR seguiram um plano de interpretação de dados pessoais muito além do que já foi visto, chamada de teoria expansionista.

Teoria expansionista

Conforme essa teoria, dados pessoais são um conjunto de informações quando agrupados pode caracterizar e individualizar alguém. Exemplo: um cookie, mediante dados de navegação permite deduzir perfis comportamentais de seus usuários, que quando associados a dados mais importantes, como um CPF, pode realizar a identificação do indivíduo.

Assim sendo, o termo “identificável” é utilizado para definir dados pessoais e não apenas “identificada”.

Como utilizar os cookies conforme as bases legais?

Tanto no GDPR quanto na LGPD, possuem a necessidade de utilizar uma base legal para o tratamento de dados. A ePrivacy Directive apenas associa os cookies à base do consentimento legal – e abre exceção da utilização desse ponto de vista para os cookies necessários para a navegação ou uso da solução. De resto, é preciso consentimento.

Facilidade de cancelamento

Você já sentiu dificuldades para cancelar uma assinatura ouse desinscrever de uma lista de e-mails? Botões nada intuitivos ou escondidos e processor ineficazes são ações comuns com o intuito de dificultar a saída de um lead. E isso não deverá mais acontecer.

Ao fornecer algum serviço, diga aos usuários que eles podem cancelá-lo a qualquer momento. A partir da Lei Geral de Proteção de Dados, retirar o consentimento deve ser tão fácil quanto contratá-lo.

Organização de Leads e automações

A  LGPD vai inviabilizar a criação de perfis e decisões automatizadas? Não. Todavia, gerar segmentações conforme as características de perfil de cada leads é algo que deverá respeitar alguns limites, especialmente em casos de práticas discriminatórias ou invasivas.

Nas estratégias de marketing, certas práticas podem impactar negativamente perante a lei, a depender de fatores como:

  • A entrada não permitida na criação de perfis;
  • As expectativas e desejos dos indivíduos envolvidos;
  • A vulnerabilidade do titular das informações;
  • A forma de comunicação do marketing;

Podemos exemplificar com dois casos sobre a variação de preços de um serviço ou produto:

  • No primeiro caso, uma empresa a efetuar uma análise de crédito e verificar que o consumidor passa por dificuldades financeiras, passa a oferecer empréstimos a juros altos incentivando-o a gerar mais dívidas. Nesse caso, a decisão automatizada que resulta em juros, pode ter efeito significativo e ser caracterizada como prática discriminatória.
  • No segundo caso, uma empresa oferece descontos a seus clientes mais valiosos. Esta prática de início, não produz efeito significativo ou legal, por não infringir os direitos do titular dos dados.

Nos dois casos há a variação de valores de serviços ou produtos, porém a classificação da decisão quanto aos seus efeitos depende de uma análise de contexto das práticas.

Próximos passos com o LGPD

Por último, porém não menos importante: compreenda bem seu o cenário com a LGPD, ele é somente seu. Cada negócio possui realidades e necessidades específicas para se adequar à lei. Portanto, buscar aconselhamento profissional é fundamental para um processo bem-sucedido de adequação.

Conheça as 14 atualizações do algoritmo do Google

Conheça as 14 atualizações do algoritmo do Google

Atualizações são feitas com frequência no algoritmo, e algumas delas são tão grandes que ganham nomes diferentes e causa impactos nas buscas

Mas o que é esse algoritmo? É o programa que funciona por trás dos mecanismos de busca e é o responsável por filtrar e disponibilizar informações nas páginas, conforme a busca que cada usuário faz e os fatores de ranqueamento.

Algo que gera grande impacto na vida dos profissionais de Marketing Digital são essas mudanças no algoritmo do Google, uma vez que ele é buscador mais utilizado em pesquisas na internet. Se um site não está em acordo com os fatores de ranqueamento que ele prioriza, pode resultar na queda de tráfego orgânico.

Em sites de pesquisas, o algoritmo tem a função de entregar a você o que tem de mais relevante. O que é feito conforme mais de 200 fatores diferentes e assim, definindo a ordem das páginas. Sem ele, os resultados seriam aleatórios, gerando dificuldade aos usuários na busca do que procura.

As mudanças ocorrem sempre, desde o início do Google. Ele passa, na prática, por dois tipos de atualizações:

  • Diárias: parece improvável, mas sim, ele passa por mudanças todos os dias mesmo que singelas na intenção de melhorar o processo de entrega de resultados.
  • Core Updates: São as atualizações mais consideráveis feitas ao longo do ano no algoritmo principal. São elas que geram transformações mais bruscas nos resultados orgânicos dos sites.

São mudanças tão complexas que ganham nomes diferentes. Neste artigo você vai conhecer as principais delas e qual impacto tiveram no trabalho dos profissionais de Marketing Digital.

As 14 atualizações principais do algoritmo do Google

Para compreender todo o histórico dessas mudanças, confira a lista das 14 transformações principais que ocorreram ao longo dos anos.

1.Florida – 2003

A Florida foi a primeira grande atualização do Google que colocou o SEO em evidência, removendo no seu lançamento cerca de 50% dos sites que eram listados até então.

Ela foi lançada a fim de combater sites de qualidade baixa, que utilizavam práticas de keyword stuffing (excesso de palavras-chave) uma das más práticas de SEO.

2.Panda – 2011

Anos depois, a atualização Panda foi implantada e afetou em quase 12% dos resultados de pesquisa. Ela penalizou aqueles sites que disponibilizavam conteúdos de baixa qualidade, os que tinham muitos anúncios principalmente.

Foi após a Panda que todas as outras vieram focadas na qualidade de conteúdos dos sites.

3.Penguin – 2012

No ano seguinte foi lançada a Penguin, conhecida na época como Webspam Update que era responsável por barrar o excesso de otimizações de conteúdo.

Gerou impacto, na época, em cerca de 3,1% dos resultados de buscas em inglês. O intuito era penalizar aqueles sites que adotava a prática de keyword stuffing, bem como esquemas de black hat SEO (Práticas para enganar o algoritmo do Google).

Assim como a atualização anterior, uma séria de melhorias e lançamentos foram implantadas até chegar na versão 4.0 (2016), quando passou a fazer parte oficialmente do algoritmo do Google, atuando em tempo real.

4.Hummingbird – 2013

A Hummingbird não foi apenas uma modificação no algoritmo, diferente das outras, ela foi uma revisão completa dele.

A partir do ano de 2013, os resultados foram além da palavra-chave considerando a vertente semântica. O que inclui sinônimos e contextos nos quais os termos são inseridos, em como fatores complexos, como localização e pesquisas feitas anteriormente pelo usuário.

A função principal era tornar mais reais os resultados relacionados com a intenção de pesquisa do usuário.

5.HTTPS/SSL Update – 2014

Depois de incentivar os desenvolvedores a focarem em segurança, essa atualização teve a função de anunciar que o HTTPS se tornava fator de ranqueamento, ampliando o incentivo a fim de tornar a internet mais segura.

O que foi feito porque os sites que adotavam o certificado SSL (que migram para o HTTPS) utilizam informações criptografadas que impedem que os dados sejam identificados no meio do trajeto, caso sejam interceptados.

6.Mobilegeddon – 2015

Atualização voltada para dispositivos móveis, tendo referência do filme Armageddon pelo impacto que os desenvolvedores confiavam que iriam causar. Entretanto, na prática o impacto não foi tão grande.

A Mobilegeddon começou a priorizar sites amigáveis para os mecanismos dos dispositivos móveis, sem considerar se a página era menos ou mais adaptável a eles: elas deveriam ser ou não adaptadas.

7.Rankbrain – 2015

No mesmo ano, o Rankbrain foi lançado pela Google. O sistema que incorporou a inteligência artificial no algoritmo, auxiliando não só na interpretação, mas na apresentação dos resultados de busca.

Conforme o Google, o sistema se tornou um dos três fatores principais de ranqueamento, em conjunto com a linkagem e conteúdo. Deixar o site otimizado para ele, era mais difícil: só podia ser feito explorando palavras-chave que pertenciam a semântica.

8.Fred – 2017

Essa atualização, conhecida como Fred foi implantada em 2017 com a intenção de identificar sites que possuíam conteúdo de baixa qualidade e muitos banners de anúncios.

John Mueller, analista de tendências do Google, disse na época que “se você estiver seguindo boas práticas de SEO, o único motivo para penalização do seu site é a baixa qualidade de conteúdo”.

9.Medical Update – 2018

Lançada em 2018, precisamente no mês de agosto, essa core update (atualização complexa) gerou grande impacto no segmento por realizar alterações no posicionamento de diversos sites. Porém ficou claro que o maior impacto ocorreu nas páginas da categoria YMYL, sigla para Your Money, Your Life.

São páginas que tratam de assuntos como saúdes e finanças, ou seja, impactando diretamente na vida das pessoas. Por isso, a atualização ganhou o nome de Medical Update.

Baseada na análise de vários portais, essa atualização foi dada como uma medida de melhoria de métricas de qualidade, principalmente os fatores EAT (mais sobre o assunto no próximo tópico). E assim precisamos destacar um ponto específico: autores de conteúdos.

Essa mudança mostrou que os sites que foram impactados negativamente foram aqueles escritos por pessoas que não possuíam capacidade ou experiência. Por exemplo: para falar de saúde, o indicado é que um médico aborde o assunto.

Em síntese, desenvolver conteúdos de autoridades no segmento realmente faz diferença nos resultados, e a partir disso, os conteúdos nessa categoria passaram a ser aqueles que possuíam perfis completos dos autores.

10.EAT – 2019

A partir da grande mudança de 2018, ocorreram outras mudanças complementares. E a atualização de 2019 abordou termos já analisados por profissionais de SEO, porém que não ficaram totalmente claros nas atualizações anteriores.

É a chamada EAT – Expertise, Authoritativeness and Trustworthiness, sigla para (Expertise, Autoridade e Credibilidade em português), que a partir dessa mudança, passou a ser considerada uma diretriz essencial de ranqueamento.

Embora já serem pontos levados em consideração no desenvolvimento de conteúdo de qualidade, a mudança deixou clara a necessidade de formação e credenciais dos autores, além da importância das empresas ter relação direta com o resultado orgânico.

Os 3 fatores do EAT

Nos últimos anos ouvimos muito falar sobre o EAT e sobre seus detalhes, como:

1. Expertise

Para conseguir bons resultados é preciso ter um especialista em seu campo de atuação. Assim, a experiencia dos autores é muito importante: é mais relevante um médico especialista para falar sobre o tema, do que alguém que possui a doença.

2. Autoridade

É necessário mostrar autoridade no assunto. Se sua página é um fórum de discussão ou uma comunidade, a qualidade dos debates é o que direciona a autoridade. Comentários pouco elaborados ou spam, como “muito obrigada, grande post” pode atrapalhar.

Na prática, ter um artigo sobre sua empresa ou produto em sites e portais de notícia de autoridade, indicam que sua página possui grande relevância.

3. Confiabilidade

É preciso mostrar aos usuários que eles podem confiar em seu site, exigência principal para os ecommerces, que solicitam informações de cobrança para efetivar as compras.

Erros de ortografia e gramaticais são tidos como critérios de confiabilidade. Uma simples palavra escrita errada pode prejudicar o ranqueamento, uma vez que é considerada um sinal de baixa qualidade. Por isso, não utilize conteúdos com tradução automática, ou seja, se quiser conteúdo traduzido, peça ajuda para alguém fazer por você.

11.Atualização de confiabilidade – 2019

Em 3 de junho de 2019, uma nova atualização do algoritmo foi destaque por gerar impactos nos sites, bem como por ser anunciada antecipadamente pelo Google.

Foi um pedido constante dos usuários, que sempre são surpreendidos pelas atualizações. A fim de descobrir mais detalhes delas, é preciso geralmente que vários profissionais analisem sites que tiveram alterações negativas ou positivas.

Com esse anúncio antes do lançamento, a comunidade internacional ficou atenta para quaisquer alterações nas métricas.

Veja o que foi Tuitado pelo perfil Google SearchLiaisonAmanhã, lançaremos uma ampla atualização do algoritmo principal, como fazemos várias vezes por ano. É chamado de Atualização Principal de junho de 2019. Nossas orientações sobre essas atualizações permanecem como abordamos anteriormente.

O motivo para que a atualização é reconhecida pelo impacto na confiabilidade é que ela gerou resultados negativos para sites de notícias. Por exemplo, no Reino Unido, The Daily Mail, divulgou a perda de 50% do tráfego vindo de pesquisas orgânicas.

A atualização deixou claro que a confiança do público nos conteúdos são cada vez mais relevantes.

12.Atualização de diversidade – 2019

Dentre todas as mudanças, essa foi a mais rápida quando levamos em consideração o tempo de duração entre elas: apenas 3 dias. Em 6 de julho lançou-se a atualização de diversidade.

A partir daí, os sites começaram a contar com somente 2 resultados diferentes na primeira página da SERP. Ou seja, os portais que tinham vários resultados aparecendo na mesma página de pesquisa tiveram o volume de links reduzidos a dois.

Assim sendo, essa mudança teve o intuito de diversificar resultados para que os sites de maior autoridade não aparecessem em diversas posições entre as 10 primeiras.

13.BERT – 2019

Antes do ano acabar, o Google fez mais uma alteração baseada em um projeto de processamento de linguagem natural com redes neurais.

BERT, sigla para Bidirectional Encoder Representations from Transformers, é o nome dado ao algoritmo inicialmente implementado para pesquisas em língua inglesa.

14.Favicon e posição 0 – 2020

Esse ano iniciou com duas mudanças. A primeira dela, relacionada ao algoritmo, foi referente aos resultados de conteúdos da posição 0 (ou featured snippets). Antes a página apresentava conteúdo em destaque que era repetido na posição original, o que após a mudança, não ocorre mais.

A segunda mudança tem relação com a aparência dos resultados, dentre eles nos anúncios. A função da atualização era refletir o que os usuários já buscaram nos dispositivos móveis, mas dessa vez a mudança não durou muito. É que a repercussão não foi boa por parte dos usuários.

E então foi publicado no Twitter: Na semana passada, atualizamos a aparência da Pesquisa no computador para refletir o que há no celular há meses. Ouvimos seus comentários sobre a atualização. Sempre queremos melhorar a Pesquisa, por isso, vamos experimentar novos canais para favicons.

Por que acompanhar as atualizações do algoritmo do Google é tão importante?

Após conhecer as atualizações principais do algoritmo do Google ao decorrer dos anos, você já entendeu o porquê é fundamental acompanhá-las?

Vamos resumir em dois pontos principais porque essas mudanças dos algoritmos são tão fundamentais:

  • Compreender como se adaptar de forma rápida às mudanças: sabendo quais as atualizações o quanto antes, é mais fácil de criar um planejamento para se adaptar às estratégias atuais.
  • Conhecer os motivos que geram impacto nas métricas: sem fazer um acompanhamento, você sentirá os impactos nas métricas, entretanto não irá entender os motivos que geram essa mudança.

Como abordado anteriormente, o Google sempre realiza atualizações em seu algoritmo. Assim sendo, o que você precisa para gerar tráfego orgânico para seu site é permanecer atualizado com as melhores práticas.

 

O que são Influenciadores Digitais e como se tornar um

O que são Influenciadores Digitais e como se tornar um

Já pensou em se tornar um influenciador digital?

 

A internet nos surpreende cada dia mais.

E desde sua criação, surgiram modelos de negócios, tecnologias e práticas que mudaram a vida de consumidores e empreendedores.

A melhor consequência foi o empoderamento do usuário, ou seja, o foco se voltou para as vontades do consumidor.

Atualmente uma pessoa comum pode ter influência como um grande canal de mídia, dessa forma possibilitando trabalhar com a imagem pessoal no mundo dos blogs, ser referência no assunto e interagir diariamente com seguidores e fãs.

Você gostaria de ter um emprego assim?

Se trabalhar com isso faz parte dos seus planos, você precisa continuar lendo esse artigo.

Nele explicarei todos os conceitos por detrás dos influenciadores e como alcançar um lugar no mundo digital.

Podemos começar?

O que são influenciadores digitais?

Conhecidos também como digital influencers, os Influenciadores digitais são pessoas que se destacam por meio de canais na internet, dentre eles, blogs e redes sociais. E mediante ao seu prestígio, elas afetam diretamente o comportamento e decisões do consumidor.

Como o nome diz, eles influenciam seus seguidores e devido a isso recebem propostas comerciais de empresas para divulgação de produtos e serviços.

Ou seja, ele é alguém que recebe atenção por parte de uma parcela do mercado. Com foco na palavra parcela.

O que se torna muito importante pelo fato de o trabalho estar relacionado à segmentação. Muitas vezes, um grande influenciador não é o que tem mais seguidores, mas sim aquele que trabalha para a criação de um relacionamento intenso e duradouro com seus nichos específicos.

Com o intuito de facilitar o entendimento, vamos exemplificar: o mercado de jogos online.

Setor em grande expansão, em parte porque os influenciadores transmitem ao vivo seus jogos.

Significa que passam horas diretamente conectados com seu público e interagindo por meio de mensagens com ele. Dessa forma, para uma empresa de acessórios de tecnologia, se aproximar a fim de realizar uma parceria seria ser uma excelente oportunidade. Afinal, parcerias digitais podem aumentar vendas quando divulgados nos canais corretos.

Fazendo isso, o processo de segmentação ocorre de forma orgânica uma vez que o público são pessoas que realmente tem interesse no assunto abordado.

Assim, é mais vantajoso investir nesse veículo do que fazer uma campanha em um canal de TV que atinge todos os tipos de público, e na maioria das vezes pessoas que não tem interesse no produto.

Fato que ocorre com o YouTuber brasileiro BRKSEdu que tem um canal com mais de 8 milhões de inscritos. Porém você pensa que é fácil estabelecer uma carreira com parcerias de grandes marcas.

Está certo, entretanto um detalhe sobre o marketing de influenciadores é a segmentação, e que ela pode ocorrer de forma mais aprofundada, dando espaço para influenciadores menores.

Influenciadores com menor alcance, mas que se especializam em camadas específicas, conseguindo grande destaque.

Um streamer que joga games infantis ou aqueles que focam em jogos antigos.

Dependendo do setor, é possível que empresas pequenas e médias se beneficiem da estratégia.

Em contrapartida, aqueles que estão iniciando podem encontrar oportunidades ao pensar em personas diferentes, ou seja, podemos dizer que influenciadores digitais são como empreendimento. Abrem portas para negócios e pessoas se aproximarem dos públicos.

Como diferenciar Celebridades, Influenciadores e Microinfluenciadores?

Quando pensamos em influenciadores digitais é comum surgir algumas dúvidas, como por exemplo, a diferença entre um influenciador e uma celebridade.

Para começar, nada impede que uma celebridade seja um digital influencer também, mas a diferença é que no segundo caso, essa é a principal função.

Ou seja, um influenciador profissional.

Um atleta da seleção russa, um ator ou cantor sertanejo pode ter grande poder nas mídias sociais, porém, para eles serão somente atividades complementares.

No mundo virtual, essas celebridades são chamadas de mega-influenciadores.

Por possuir grande alcance é muito caro realizar parcerias com eles, como por exemplo o jogador Neymar.

E logo abaixo deles na escala, há os macro-influenciadores: Pessoas com número menor de seguidores mas com grande experiência em estratégias de marketing digital.

Há também os micro-infuenciadores se destacando em nichos específicos no mundo digital.

Por último, mas não menos importante há os nano influenciadores. Aqueles com pouca abrangência, são usuários normais, entretanto que não devem ser descartados já que geram resultados bons e proporcionais aos seus índices de engajamento e valores para divulgação.

Afinal, não existe uma fórmula de sucesso neste nicho, assim como muitas vezes é mais efetivo investir em milhares de nano-influenciadores do que em somente um mega-influenciador.

E aí que está a beleza do mundo do marketing, um leque infindável de possibilidades.

Como avaliar um influenciador digital?

A fim de medir o tamanho do influenciador, há um padrão numérico de seguidores.

Observe:

  • Mega-influenciador: mais de 1 milhão
  • Macro-influenciador: entre 500 mil e 1 milhão
  • Influenciador: entre 100 mil e 500 mil
  • Micro-influenciador: entre 10 mil e 100 mil
  • Nano-influenciador:até 10 mil.

O tripé da influência

O tripé da influência é uma técnica para medir o grau de influência, e leva em consideração três fatores:

  • Alcance:determinado pelo número de seguidores, potencial de pessoas atingidas pelo influenciador.
  • Relevância: importância do relacionamento entre influenciador e público, mensurado mediante métricas de engajamento.
  • Ressonância:se refere ao número de seguidores que estão dispostos a repassar a mensagem por meio de compartilhamento e menções em redes sociais.

Tipos de influenciadores digitais

Como já deve ter percebido, o segmento dos influenciadores é extenso.

Quer dizer que não tem limites para os temas que se destacam, bem como para os públicos que podem ser atingidos.

Porém, há alguns tipos de digital influencer mais comuns que iremos falar logo abaixo:

1. Top Celeb

São aqueles que trabalham com temas genéricos, sem nicho específico, mas possuem relevância em diversos segmentos do mercado.

2. Fit Celeb

Os fit celebs vêm da palavra “fit”, que significa “encaixar”, não possuem relação àqueles voltados à saúde e bem-estar corporal, como nutricionistas e atletas.

Assim, falamos daquele influenciador que tem tudo a ver com seu negócio.

Por exemplo, realizar uma parceria com um podcaster que fala sobre o tema terror caso você possua uma loja virtual que venda livros de terror.

3. Autoridade

Tipo de celebridade que é referência no assunto, ou seja, é marcado pelo conhecimento sobre um tema.

Geralmente ensinam muito a seus seguidores por serem especialistas no assunto. Assim, eles tem grande poder persuasivo a fim de estimular a contratação de um serviço ou a compra de um determinado produto.

4. Ecossistema

Para desenvolver um canal de relacionamento, a empresa não precisa depender somente de um influenciador. Pode ser criado um ecossistema.

Ou seja, é estabelecida uma rede de influenciadores produzindo e promovendo conteúdo regularmente.

5. Trendsetter

Os trendsetters são pessoas que defendem intensamente uma ideia ou causa. Geralmente possui grande respeito do público e são associados a questão sociais.

Além disso, por conta de seus princípios são excelentes para reforçar o posicionamento de uma marca.

6. Jornalista

São os profissionais criadores de conteúdo que pregam a imparcialidade.

Ademais, gozam de admiração da sociedade uma vez que tem como função principal disseminar notícias e penetrar em temas de interesse.

7. Influenciador interno

São os influenciadores internos, ou seja, são os colaboradores da própria empresa que a representam perante a sociedade.

Essa prática tem grande valor pois traz uma voz para a marca.

São frequentemente escolhidos por funcionários do setor estratégico da empresa.

7 passos para se tornar um Influenciador Digital

Se quer se tornar um influenciador digital, as ferramentas estão disponíveis a quem desejar.

Além disso, como em qualquer negócio você precisará se esforçar o suficiente para criar conteúdo regularmente.

Posteriormente, conheça os mais importantes passos a fim de alcançar o objetivo.

1 – Definir a persona e nicho de atuação

A persona é o perfil fictício do seu cliente ideal.

É extremamente relevante uma vez que possibilita ao influenciador traçar diretrizes de linguagem, melhores canais para publicações e outras variáveis.

Ou seja, ajuda a entender o público e suas principais características.

2 – Traçar um plano de conteúdo

Possuir um plano de conteúdo ou calendário editorial é fundamental para garantir o sucesso de uma estratégia. Com ele é possível determinar datas, horários, tamanhos e qualquer outro elemento fundamental a fim de garantir um consistente fluxo de publicações.

3 – Não comprar seguidores, nem fazer troca de likes

Erro bem comum por pessoas que querem se tornar influenciadores digitais é comprar seguidores ou trocar likes.

É uma prática não apenas antiética, mas também não gera resultados eficientes. Pois ao realizar essas ações, as métricas de vaidade podem aumentar, como curtidas e impressões, mas indicadores mais importantes como engajamento tendem a diminuir.

Afinal, o diferencial de um digital influencer é a sua capacidade de ter relacionamento com pessoas de nichos específicos.

4 – Dar assistência para não abrir para a concorrência

Tenha um relacionamento com seu público e mostre que há uma pessoa que se importa com eles por trás das ações.

Se você não interage com seus seguidores, eles rapidamente encontrarão outro influenciador que dê a atenção que procuram.

5 – Fazer parcerias (collabs) com outros influenciadores

Influenciadores também podem se ajudar. Esse tipo de atividade é bem comum no mundo virtual uma vez que há ganhos para ambos os lados.

Fazer collab é isso: desenvolver conteúdo em conjunto e divulgado para todos os participantes.

6 – Responder TAGs

São etiquetas que influenciadores criam para iniciar tendências.

Uma pessoa pode inventar uma ação na qual ela fazer uma maquiagem e desafiar colegas de profissão e outros influenciadores para fazer o mesmo, como o “evoluiuchallenge” bem conhecido no instagram.

Assim, a curiosidade dos seguidores é aguçada dando início a uma corrente.

7 – Aplicar o inbound marketing

Uma das mais famosas estratégias online de atração de seguidores ela é baseada no funil de vendas e tem como função gerar um fluxo de usuários que vão de meros desconhecidos a advogados da marca.

Além disso, o inbound marketing funciona também no mercado dos influenciadores digitais, afinal ele estimula a captação de leads e faz com que sua dependência de canais de mídia alugada (redes sociais) diminua.

Quanto ganha um influenciador digital?

Youtubers, instagrammers, blogueiro, podcasters…

Todos esses títulos podem ser considerados influenciadores digitais. Por isso é difícil estabelecer um padrão de ganhos.

Entretanto, há alguns estudos que relatam uma média de remuneração em diferentes plataformas.

Por exemplo, um digital influencer do YouTube costuma ter ganhos através de anúncios nos vídeos. No Brasil, os maiores influenciadores ganham entre R$50 mil e R$150 mil a cada campanha, enquanto os menores o valor fica entre R$1 mil e R$ 5 mil, segundo dados relatados na Época Negócios.

Números que variam uma vez que o YouTube repassa U$0,60 a U$5,00 a cada mil views, o que depende do nicho.

No instagram, o ganho de um macro-influenciador chega a receber R$10 mil por um anúncio somente e no Facebook, de acordo com agência publicitária Bloglovin, 90% dos influenciadores cobra abaixo de 250 dólares por post. Já no Twitter o valor cai para 100 dólares.

Nos blogs, há uma grande diferença: entre US$175,00 e US$ 5 mil por post patrocinado, dados em sua maioria pertencente ao mercado americano.

O importante é entender que esses números dizem respeito da capacidade de negociação do influenciador e do interesse da organização.

Conclusão

Espero que esse artigo tenha mostrado a você como entrar nesse fantástico ramo dos influenciadores digitais. Aqui você soube o que é e quais são seus principais obstáculos, além de descobrir quais os tipos de digital influencer.

Em resumo, você pode agora dimensionar quanto ganha um profissional do segmento, apesar de conter inúmeras variáveis.

E caso sua ideia seja divulgar a marca como parceria de influenciadores, você já sabe por onde começar.